Artigos

VOCÊ SERIA SEU CLIENTE? (vendas)

Muito se tem falado deste assunto nos últimos tempos. Foi o assunto mais solicitado em minhas palestras e treinamentos no ano de 2010. Atendimento. Você seria seu próprio cliente?
Que nota você daria para o seu atendimento? E o atendimento da sua empresa? O que está faltando para chegar mais perto da nota máxima? Quando foi a última vez que sua equipe de vendas foi treinada? São perguntas que nos fazem refletir sobre esse assunto que faz muita diferença no processo da venda. O que mais influencia o cliente na hora de optar por um produto/serviço na maioria das vezes não é a marca, preço, promoção e nem condições de pagamento e sim a qualidade do atendimento da pessoa que o atendeu.
Não cansamos de encontrar em lojas ou prestadoras de serviços pessoas que, nas palavras do colega Marcelo Ortega, "estão" vendedores e não "são" vendedores. Pessoas que até gostam do que fazem, mas não fazem o que realmente gostam. Pessoas que não "encontraram nada na sua área" ou "não tiveram escolha" e estão passando por um período como vendedor; ou até mesmo, no pior dos casos, pessoas que trabalham anos no setor de vendas e acham que sabem tudo sobre técnicas de vendas e atendimento. Não estar em sua verdadeira área de atuação e conhecimento, não acreditar no produto, estar insatisfeito com a empresa ou liderança, não ter um objetivo real na vida, problemas pessoais, instabilidade de humor, empregar vendedores temporariamente  sem o devido treinamento e preparo, falta de interesse de vendedores já profissionais em rever suas técnicas de abordagem e vendas, falha no processo de seleção e principalmente a baixa remuneração, de acordo com a Poddium Consultoria de Vendas, são os principais fatores que contribuem para um mau atendimento.
É como aquele dito popular; "a primeira impressão é a que fica". Você pode ser um "expert" em técnicas de vendas, conhecer muito bem o produto e dominar muito bem o fechamento, mas, se falhar no atendimento, se falhar ao ter um primeiro contato e criar a primeira impressão, poderá colocar a venda em risco. Refiro-me ao um atendimento genuíno, sincero e verdadeiro. O cliente irá perceber se for algo mecânico e falso, sem sentimento e sem o verdadeiro comprometimento, se assim não for, melhor nem se dirigir ao cliente.
Muitos então me perguntam: o que fazer em relação á isso? Bem. Poderia até mencionar ler, estudar o cliente, participar de treinamentos e palestras, fazer um curso de linguagem corporal ou PNL. Mas essas já seriam as respostas esperadas. E também um atendimento de verdade pode atá ser influenciado pelas respostas acima, mas, ele vem do coração. Vem da paixão por vender e atender bem. Então sugiro que, diariamente; não semanalmente e nem uma vez por mês, digo todos os dias, você deve antes de começar sua jornada de trabalho responder a 7 perguntas seguintes:

*Qual é realmente o meu negocio? (produto/serviço)
*Eu realmente faço o que gosto, ou simplesmente gosto do que faço?
*Eu acredito no produto/serviço que vendo?
*Sou um "vendedor" ou um verdadeiro "profissional de vendas"?
*Eu seria meu próprio cliente, ou cliente da minha empresa?
*Quando vejo um cliente, o vejo como uma "$" ou como uma pessoa no qual eu posso ajudar de alguma forma a melhorar a vida?
*Quando ele compra meu produto/serviço penso que; "ele não fez nada além do que a sua obrigação" ou "que ele fez o melhor negócio de sua vida"?

        Reflita nas respostas á essas perguntas mágicas e você saberá por si mesmo como anda o seu atendimento.
Desejo a você tudo de bom e muito mais.

Faça agora mesmo o seu cadastro
e receba um brinde em seu e-mail.

© 2016 Jeremias Oberherr - Todos os direitos reservados.

Logo DMWEB Desenvolvendo Soluções Exclusivas para o seu Negócio